Bacterioses: Febre Tifoide

Tempo de leitura: 2 minutos

Que as bactérias são responsáveis por muitas das doenças humanas todos nós sabemos, mas sabemos quais as doenças?  Hoje vou te mostrar mais uma da nossa série Bacterioses, a Febre Tifoide.

Antes de falarmos de fato sobre a Febre Tifoide é importante discutirmos sobre as condições que propiciam o seu aparecimento. É de conhecimento geral que lugares onde não existe saneamento básico é berço para inúmeras doenças, e essa doença não fica de fora desse quadro.

Locais com baixos níveis socioeconômicos, pouco ou nenhum saneamento básico, problemas ambientais e ainda o agravante de uma higiene pessoal precária são situações excelentes para a proliferação da Febre Tifoide.

Agente patogênico: Salmonella entérica sorotipo Typhi.

Contágio: Ingestão de água ou de alimentos contaminados com fezes ou com urina, contato direto mão-boca com fezes, urina, secreção respiratória, vômito ou pus infectado. O portador pode ou não apresentar características de infecção, podendo o tempo de eliminação durar até um ano, em casos crônicos.

Sintomas: Entre os principais sintomas da doença estão febre alta, dores de cabeça, mal estar, fastio, retardamento do rítimo cardíaco, aumento do volume do baço, manchas rosadas no tronco, prisão de ventre ou diarreia e tosse seca.

Prevenção e tratamento : A prevenção é muito simples, higiene pessoal, saneamento básico, evitar alimentos da rua e se alimentar de pratos frescos. Outra opção é a vacina contra a Febre Tifoide, porém a disponível hoje  não possui alto poder de imunização e é de curta duração, sendo indicado para pessoas que irão para zonas de risco, segundo o Ministério da Saúde.

O tratamento não é nenhum bicho de sete cabeças, podendo ser tratado em nível ambulatorial co  antibióticos e reidratação, um ponto importante na maior totalidade das doenças. Contudo, sem o tratamento com antibiótico adequado e emergencial a doença pode se desenvolver até um quadro fatal (15% dos casos).

Entre os medicamentos mais usados encontramos Androfloxin, Bactrim, Cefalotina, Clordox, Doxiclina, entre outros.

É importante ressaltar que apenas um médico pode fazer o diagnóstico e tratamento adequado, e que seguir o tratamento a risca é essencial para a saúde do infectado.

Gostou da matéria? Tenho muito mais sobre bacterioses e outras patologias para você!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *